Conecte-se conosco

São Miguel do Iguaçu

Frigorífico incentiva criação de peixes em São Miguel do Iguaçu

A criação de tilápia colocou o Paraná na liderança nacional do setor em 2021. Atento ao comportamento do mercado, um frigorífico de São Miguel do Iguaçu decidiu investir no processamento e comercialização da espécie, com foco na produção de posta e filé. Atualmente são abatidas oito toneladas da peixe por dia, totalizando uma média mensal de 180 toneladas.

Publicidade

Há cerca de dois anos, uma nova gestão assumiu a tradicional indústria de pescados localizada na estrada para São Jorge. A principal meta da empresa é atingir a capacidade máxima de produção com ampliação para 10 toneladas diárias a médio prazo. Para atingir este objetivo, o frigorífico depende de uma maior oferta de matéria-prima.
De acordo com o Gerente da Frimapar, João Carlos Luqui, apenas 20% dos pescados são produzidos em São Miguel do Iguaçu. Segundo Luqui, a prioridade é trabalhar com produtores da região, facilitando a logística e reduzindo os custos da produção.

“O peixe é transportado vivo da propriedade até o frigorífico em tranques com água e oxigênio. O ideal é que esta distância seja inferior a 100 quilômetros para facilitar a logística e reduzir custos. Por isso temos priorizado municípios vizinhos. Conforme vamos estruturando estes produtores, vamos deixando de buscar peixes nas regiões mais distantes”, afirma Luqui.

O incremento na produção de tilápias fez com que o Paraná ampliasse a liderança na produção de peixes de cultivo no Brasil no ano passado. Foram 172 mil toneladas em 2020 contra 154.200 toneladas no ano anterior, crescimento de 11,5%, superior à média nacional, de 5,9%. O levantamento da Associação Brasileira de Piscicultura aponta o Estado com domínio de 21,4% da produção nacional. São Paulo (74.600 toneladas), Rondônia (65.500 toneladas), Santa Catarina (51.700 toneladas) e Maranhão (47.700 toneladas) completam o grupo dos cinco principais produtores do País.

O gerente da Frimapar João Carlos Luqui avalia que a participação do Extremo Oeste na produção estadual foi tímida nos últimos anos, mas com a estruturação do frigorífico já é possível observar uma tendência de crescimento na criação de tilápias. Segundo Luqui, a empresa aposta no aumento do consumo de peixes e tem observado resultados positivos nos últimos meses.

“Aqui na região a piscicultura ficou deixada de lado. O frigorífico tinha uma produção pequena e nós viemos com a proposta de ampliação. A gente sabe que o consumo de pescados tem aumentado gradativamente. A pandemia atrapalhou um pouco, mas percebemos uma movimentação positiva”, disse o gerente.

Além da estruturação para o processamento dos pescados, o frigorífico de São Miguel do Iguaçu tem voltado suas atenções no campo. Uma equipe técnica foi treinada com o objetivo de incentivar a criação de peixes e estreitar a relação com o produtor. O próximo passo da empresa é implantar o Programa de Integração, no qual o criador recebe todo o suporte técnico e os insumos durante todo o ciclo. Com este sistema, o produtor tem a comercialização garantida e tem uma nova alternativa de renda em sua propriedade. Já a indústria consegue um maior controle de qualidade e garante a disponibilidade de matéria-prima.

O primeiro passo para iniciar um projeto de piscicultura é ter água disponível na propriedade, conforme explica João Carlos Luqui, gerente do frigorífico Frimapar.

“O primeiro requisito é ter água suficiente para atender ao projeto. Temos visitado os produtores e este trabalho ter surtido efeito. Muitas propriedades da região tem vocação para aquicultura e os produtores tem apostado na atividade. A gente acredita que é a atividade do futuro”, explica Luqui.

Além de saboroso, o pescado é uma proteína magra fonte de energia e de nutrientes importantes para o organismo humano, como ômega-3, ferro, zinco, cálcio e vitaminas do complexo B. No Brasil, o consumo ainda é vinculado a períodos específicos do ano, como a Semana Santa e o Natal. Para estimular o consumo de pescado pelos brasileiros, está sendo realizada de 1º a 15 de setembro a Semana do Pescado, que tem o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Em sua 18ª edição, a ação, organizada pelo setor privado, pretende descentralizar o conhecimento e acesso aos produtos dos grandes centros de produção e consumo para atingir todas as cidades brasileiras.

Fernando Figa
Rádio Jornal São Miguel com AEN e MAPA

Continue Lendo
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Anúncio

Copyright © 2021 Portal Costa Oeste.