Sanduicheria Iguaçu
banner-happy-hour
LAVACAR DOIS AMIGOS
Vip Barbearia
Artigos que valem a pena ler
São Miguel: Morador é vítima de fraude após realizar pagamento em cheque

São Miguel: Morador é vítima de fraude após realizar pagamento em cheque

access_time 17 de novembro de 2017

De acordo com o Boletim de Ocorrência registrado na Polícia Civil pela vítima do golpe, um funcionário da Indústria e

Itaipulândia: Confusão entre casal acaba em tumulto e os dois são presos pela PM

Itaipulândia: Confusão entre casal acaba em tumulto e os dois são presos pela PM

access_time 2 de janeiro de 2019

Por volta das 2h do dia 01 de janeiro, policiais militares da RPA de Itaipulândia foram prestar atendimento à uma

O inverno chegou: temperaturas despencam e Paraná tem dia mais frio do ano

O inverno chegou: temperaturas despencam e Paraná tem dia mais frio do ano

access_time 20 de maio de 2018

O inverno chegou ao Paraná. Depois de um sábado que já estava mais frio, as temperaturas despecaram nesse domingo (20)



Cientistas revelam o que as pessoas sentem logo após morrerem

Cientistas revelam o que as pessoas sentem logo após morrerem
access_time 7 de novembro de 2017 chat_bubble_outline 0 comentários

Especialistas da Escola de Medicina Langone da universidade norte-americana estabelecem a morte no momento em que o coração para: o sangue deixa de chegar ao cérebro, o que provoca a parada quase imediata de seu funcionamento.

Publicidade

Como resultado, as células cerebrais começam a morrer. No entanto, o líder da pesquisa, Sam Parnia,Universidade de Nova York, acredita que este processo pode levar até algumas horas depois da morte clínica.

Além disso, segundo a pesquisa, a consciência humana continua trabalhando por algum tempo após o coração ter parado. “Na primeira fase da morte”, as pessoas ainda podem possuir alguns sinais de consciência.

A prova disso são os vários casos em que pessoas que sobreviveram a uma parada cardiorrespiratória conseguiram descrever em detalhes o que estava acontecendo em seu redor após a morte clínica.

“Elas podem descrever que viram médicos e enfermeiras trabalhando, ouvindo suas conversas por completo […]- ou seja, fatos que eles não poderiam saber de outro modo”, comentou Parnia, citado pela LiveScience.

Segundo o pesquisador, tais memórias foram também confirmadas por médicos, surpreendidos pelo fato de seus pacientes, que de fato estavam mortos, se lembrarem de todos estes detalhes.

Fonte: Midiamax / Agencia GC

 

content_copyCategorias do post

Sem comentários

comment Sem comentários ainda

Você pode ser o primeiro a comentar!

Envie uma comentário

Deixe seu comentário